Terminologia arquivística

[STA/2018] I Seminário de Terminologia Arquivística

Inscrições abertas!

Com o objetivo de fomentar uma discussão conceitual acerca dos termos utilizados por profissionais e pesquisadores da área, a Associação de Arquivistas de São Paulo (ARQ-SP) promoverá, nos dias 4 e 5 de julho de 2018, o I Seminário de Terminologia Arquivística.

Nossa pretensão é adensar, teoricamente, o sentido e o alcance de termos que tradicionalmente vêm sendo empregados no trato com os arquivos, apesar de muitos deles serem também utilizados (com teor similar ou não) por outras disciplinas, como a biblioteconomia, a museologia e a tecnologia da informação. Evitando uma abordagem corporativista, a ideia é não só aprofundar a análise de termos que procuram dar conta dos elementos centrais da ciência arquivística, isto é, daqueles que lhe conferem especificidade e autonomia, mas avaliar um fenômeno recente, qual seja, o da criação de novos termos para designar requisitos e procedimentos próprios dos chamados arquivos digitais.

Na primeira edição deste Seminário, que servirá de balão de ensaio para outras, não abriremos inscrições para comunicações livres. As apresentações serão feitas por especialistas convidados e terão o formato de conferências, seguidas de debates com o público. No final do evento, haverá o relato-síntese de um observador igualmente qualificado. Os resultados do Seminário serão publicados em seguida, inaugurando uma prática de reflexão conceitual que certamente contribuirá para a consolidação da área.

 

LOCAL DO EVENTO: Auditório Nicolau Sevcenko – Departamento de História da Universidade de São Paulo. Av. Prof. Lineu Prestes, 338 – Térreo – Butantã, São Paulo/SP.

 

PROGRAMAÇÃO

4 de julho (quarta-feira)

9:30 – Credenciamento e café de boas-vindas

10:00 às 10:15 – Abertura

Ana Célia Navarro de Andrade (presidente da Associação de Arquivistas de São Paulo)

10:15 às 12:00 – Conferência 1 – A arquivologia deve ter uma linguagem de especialidade?

Conferencista: Johanna Wilhelmina Smit (Universidade de São Paulo)

Resumo: Para que um domínio científico seja reconhecido pela academia e pela sociedade, ele deve recorrer a uma linguagem de especialidade? A esta pergunta tentarei responder abordando inicialmente algumas questões teóricas envolvidas na relação entre linguagem natural e linguagem de especialidade, discutindo a importância da última como ponte entre diferentes mundos. A partir da identificação de uma série de termos, correntemente utilizados na bibliografia arquivística, propõe-se uma análise a respeito destes termos, enfatizando os seguintes aspectos: eles são centrais ou periféricos em relação à teoria arquivística?  Estes termos são conceituados de forma específica ou no senso comum? Eles também estão presentes na bibliografia de outras áreas do conhecimento? O leque de respostas possíveis às questões acerca dos termos presentes na bibliografia arquivística leva à discussão sobre a importância da criação e utilização de uma linguagem de especialidade, objetivando a consolidação do domínio, a garantia de seu reconhecimento social e sua visibilidade, bem como uma percepção das diferentes linhagens conceituais-terminológicas que convivem na bibliografia e as interrelações entre o domínio arquivístico e outros campos do conhecimento.  A construção de uma linguagem de especialidade, em suma, é necessária e/ou viável para a área arquivística?

12:00 às 13:30 – Intervalo (almoço)

13:30 às 15:15 – Conferência 2 – A espécie documental como abarcadora de respectivos tipos documentais

Conferencista: Heloísa Liberalli Bellotto (Universidade de São Paulo)

Resumo: Para efeitos de emprego na metodologia arquivística, quando voltada para a identificação documental, pretende-se aqui defender a possibilidade de considerar-se, como antecedente ao tipo (que corresponde a uma atividade), a existência de uma respectiva espécie documental (que corresponde a uma função que presida aquela atividade). Tal prática permite que melhor se possa compreender a gênese documental, a organicidade arquivística e o contexto de produção. A denominação da série documental, ao incluir a função que a rege, torna mais evidente o elo arquivístico, isto é, o vínculo indelével entre documentos e séries e entre séries e entidades produtoras.

15:15 às 15:30 – Intervalo

15:30 às 17:15 – Conferência 3 – Sobre série documental

Conferencista: Ana Célia Rodrigues (Universidade Federal Fluminense)

Resumo:

 


 

5 de julho (quinta-feira)

10:00 às 10:15 – Café

10:15 às 12:00 – Conferência 4 – Fundo ou coleção? Reflexões em torno de um dilema

Conferencista: Ana Maria de Almeida Camargo (Universidade de São Paulo)

Resumo: Geralmente apresentados nos programas descritivos como elementos contraditórios e mutuamente excludentes, os conceitos de fundo e coleção merecem ser examinados em conjunto e com maior rigor.

Há uma vasta literatura a propósito daquilo que, em Arquivologia, chamamos de fundo, na medida em que a ele se associam as propriedades e características dos arquivos propriamente ditos. O fundo equivale ao arquivo, mas o termo é empregado em circunstâncias muito específicas, típicas das grandes instituições de custódia de documentos: todo arquivo transforma-se em fundo quando, na fase permanente, tem que conviver com outros arquivos. A marca distintiva de cada arquivo nessa situação (isto é, de cada fundo) está inteiramente relacionada com a entidade de origem, seja ela instituição ou pessoa, e com os documentos que acumulou ao longo do tempo. Não é difícil entender, por extensão, a importância dos conceitos de proveniência e organicidade do material reunido no fundo, qualquer que seja a quantidade de documentos que o integram. A missão do arquivista, afinal, é garantir que os documentos reflitam o contexto em que foram acumulados por determinada entidade.

Para que o termo coleção possa funcionar, no âmbito da terminologia arquivística, como antípoda do fundo, é necessário destituí-lo dos atributos referidos. Os documentos de uma coleção, por exemplo, não são reunidos por acumulação, ou seja, pela formação progressiva, natural, automática e orgânica que caracteriza os arquivos. Alguns autores acentuam o viés não natural dessa reunião, ora tratando-a como intencional ou voluntária, ora como artificial. Outros explicitam os elementos que contrastam mais diretamente com as características do fundo: os documentos de coleção, apesar de reunidos por afinidades de diversos matizes, têm múltipla proveniência e não mantêm, por isso mesmo, relações orgânicas entre si.

Com fronteiras tão bem definidas, os conceitos de fundo e coleção provocam, no entanto, situações ambíguas e equivocadas, que procuraremos ilustrar a partir da bibliografia disponível e de experiências em andamento. A perspectiva desta palestra é postular e discutir a introdução, no processo descritivo, de elementos de identificação mais precisos e coerentes com a origem dos documentos e com a política de acervo das instituições de custódia.

12:00 às 13:30 – Intervalo (almoço)

13:30 às 15:15 – Conferência 5 – Classificação, arranjo e ordenação. contribuições para a compreensão dos elementos de representação do contexto de produção e de recuperação dos documentos de arquivo

Conferencista: Clarissa Moreira dos Santos Schmidt

Resumo: À função classificação atribui-se a institucionalização e a primazia do contexto de produção em detrimento do conteúdo do documento de arquivo, sendo considerada marco importante e condicionante para a construção do campo dos arquivos enquanto área de conhecimento, ou seja, uma autonomia em relação às teorias utilizadas em outras disciplinas, possibilitando diferenciar e organizar o documento de arquivo a partir de parâmetros fundamentais para conferir autonomia e identidade à área.

Comumente admitindo igual significado, seja para os arquivos correntes, seja para os arquivos permanentes, classificação e arranjo são procedimentos elementares para a representação do contexto de produção de documentos de arquivo. A materialização da classificação e a do arranjo são nomeadas, respectivamente, de plano de classificação e de quadro de arranjo. Todavia, é importante destacar que não encontramos, na literatura especializada da área, discussões consistentes sobre a similaridade dos conceitos e das metodologias de classificação e arranjo, para além da idade em que se encontram os documentos.

Já a ordenação é por vezes considerada sinônimo da classificação, ou ainda, como elemento que se preocupa com a organização dos documentos em suas unidades de arquivamento de maneira a facilitar seu uso e recuperação. Assim, o que observamos é a coexistência de diferentes e poucas definições sobre o significado de ordenação de documentos, além de distintas maneiras de compreensão de sua aplicação prática.

A perspectiva desta palestra é compreender, de forma mais precisa e coerente, como os elementos de representação do contexto de produção e os de recuperação dos documentos de arquivo estão sendo significados pela Arquivologia, bem como seus desdobramentos teóricos, metodológicos e suas aplicações práticas.

15:15 às 15:30 – Intervalo

15:30 às 17:15 – Conferência 6 – Modelos de Gestão de Documentos: do ciclo de vida ao continuum

Conferencista: Renato Tarciso Barbosa de Sousa (Universidade de Brasília)

Resumo: Este trabalho procura entender os modelos de gestão de documentos. O início do século XX apresentou aos arquivistas um cenário com problemas novos que ainda não tinham sido enfrentados. O principal deles era o volume documental crescente, resultado do aumento da população, dos avanços tecnológicos e da expansão das atividades do Estado. Além dessa questão, outro fator jogava um papel importante: as mudanças na natureza do contexto administrativo. Era necessário, no âmbito das novas estruturas organizacionais das primeiras décadas do século anterior, descobrir e compreender o contexto de criação e uso dos documentos e a forma como esse conhecimento seria transmitido aos usuários que consultavam esses documentos. Buscava-se, sobretudo, estabelecer modelos para vincular a produção e a preservação dos documentos, dois processos centrais do arquivo. Em 1940, Philip Brooks propõe o records life cycle, que no Brasil ficou conhecido como ciclo vital dos documentos. Este modelo é baseado na premissa que é possível dividir a vida dos documentos em duas fases (gestão de documentos e arquivística) e oito estágios, quatro em cada fase. Uma das formas de operacionalização desse modelo é a conhecida Teoria das Três Idades, proposta, em 1948, no relatório da Comissão Hoover. Nos últimos quarenta anos começa a tomar corpo um novo modelo de gestão de documentos, que é o records continuum. Desde a década de 1960, arquivistas australianos, críticos à linearidade e compartimentalização do modelo de ciclo vital, começam a formular outro pensamento, que se concretiza nos trabalhos de Frank Upward e Sue McKemmish, em meados da década de 1990. Um dos objetivos era unir o que o ciclo vital havia separado: as funções do gestor de documentos e do arquivista.

17:20 às 17:50 – Relato dos observadores: José Augusto Chaves Guimarães (Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”) e Johanna Wilhelmina Smit (Universidade de São Paulo)

18:00 – Encerramento.

            Entrega dos certificados de participação.

 

Investimento:

Profissional

Estudante**

Empenho***

Associados ARQ-SP*

R$ 150,00

R$ 75,00

R$ 150,00

Não associados

R$ 200,00

R$ 100,00

R$ 200,00

Temos preços especiais para caravanas a partir de 20 integrantes. Consulte em diretoria@arqsp.org.br

 

(*) Para ter direito ao desconto, os associados devem enviar para diretoria@arqsp.org.br cópia do comprovante de pagamento da anuidade vigente (referente ao ano 2018) ou solicitar boleto para pagamento.

(**) A categoria “estudante” se aplica apenas a alunos regularmente matriculados em cursos técnicos (ensino médio) e de graduação. Alunos de pós-graduação (especialização, mestrado ou doutorado) devem se inscrever na categoria “profissional”. No ato da inscrição, é  preciso anexar cópia do atestado de matrícula no sistema.  O desconto para estudantes não é válido para pagamento por empenho.

(***) O desconto oferecido para associados será aplicado apenas para instituições em dia com a anuidade vigente (referente ao ano 2018). Antes de realizar a inscrição, entrar em contato com o e-mail diretoria@arqsp.org.br

 

Informações sobre pagamento:

O pagamento deverá ser realizado exclusivamente por meio da Loja da ARQ-SP, exceção feita a empenhos.

Nossas cobranças são processadas pelo PagSeguro e você pode optar entre boleto bancário (à vista) ou cartão de crédito (com opções de parcelamento).

Para solicitar nota fiscal, os interessados deverão entrar em contato com secretaria@arqsp.org.br

 

 

VAGAS LIMITADAS!

SERÁ CONFERIDO CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO

A CONFIRMAÇÃO DA VAGA ESTÁ CONDICIONADA AO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO

 

 

INFORMAÇÃO IMPORTANTE – INSTRUÇÕES PARA A INSCRIÇÃO:

  1. Faça o cadastro no site da Associação de Arquivistas de São Paulo (www.arqsp.org.br). Clique em MINHA CONTA no menu superior e preencha as informações solicitadas.
  2. Após realizar seu cadastro, saia do sistema para validar os dados.
  3. Acesse a LOJA da ARQ-SP, clique em CURSOS, e depois na opção adequada, de acordo com a categoria informada (Selecione pelo código STA/2018).
  4. Realize a compra do seminário, seguindo o passo a passo informado pelo site.
  5. “Estudantes” devem anexar o comprovante de matrícula no sistema durante o processo de inscrição.

 

Vaga para Assistente Administrativo

Atividades:

Arquivo e gestão de documentos do Departamento Jurídico, monitorar entrega de notificações, elaborar planilhas e apresentações em Power Point e controlar SLA de contratos do departamento.

Horário: De segunda à sexta-feira, das 9h às 19h.

Local: Santo André – Próximo à estação de trem Prefeito Celso Daniel.

Salário e benefícios compatíveis com o mercado.

 

REQUISITOS

– Desejável experiência com arquivos no segmento jurídico.

– Desejável formação em Arquivologia (em andamento ou concluído).

– Necessário conhecimento intermediário em Excel e Power Point.

– Necessário ter fácil acesso à região de Santo André.

Os interessados deverão encaminhar currículo atualizado para fabiocarrico@cvccorp.com.br, com assunto CV Assistente Administrativo.

 

Prazo para recebimento de currículos: Até 21/05.

Vagas para assistente de arquivo

O Arquivo Bienal agradece pelo interesse e informa que o prazo para recebimento de currículos para vaga de assistente de arquivo foi encerrado.

Somente os candidatos selecionados receberão contato para marcar entrevista.

Os demais currículos serão reservados para futuras oportunidades.

 

 

A Fundação Bienal de São Paulo possui duas vagas abertas para assistente de arquivo para trabalhar no projeto de organização de seu acervo.

Contrato: CLT.

Salário: R$ 3.200,00, com benefícios (plano de saúde, VR, VT).

ATENÇÃO:

O contrato é temporário até dez/18, com possibilidade de renovação por mais 12 meses.

Os interessados deverão encaminhar currículo para o e-mail: arquivo.historico@bienal.org.br

Convite_PalestraMaio

[Palestra] Os documentos da música: a partitura

O Arquivo Geral da USP e a ARQ-SP convidam

Palestras do Arquivo Geral da USP – Alinhando Conceitos

OS DOCUMENTOS DA MÚSICA:

A PARTITURA

com

Adriano de Castro Meyer

Ana Maria de Almeida Camargo

Paulo Castagna

 

Com o propósito de discutir questões conceituais relacionadas com a prática arquivística, de preferência aquelas que envolvem abordagens interdisciplinares e não desfrutam de consenso entre profissionais da área, o Arquivo Geral da USP, em parceria com a Associação de Arquivistas de São Paulo, promove uma série de debates que, sob o título Alinhando Conceitospretende, de tempos em tempos, focalizar assuntos polêmicos.

O primeiro da série tem por objeto a partitura musical e seu estatuto como documento de arquivo. O debate será coordenado por Ana Maria de Almeida Camargo e contará com a participação de dois musicólogos: Adriano de Castro Meyer, que discorrerá sobre “Peculiaridades da partitura como documento musical”, e Paulo Castagna, cujo tema é “A unicidade do documento e a multiplicidade da representação de obras em acervos musicais”.

Conheça os palestrantes:

Adriano de Castro Meyer é graduado em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestrando em Musicologia pelo Instituto de Artes da UNESP. Trabalha no Serviço de Arquivo do Instituto de Estudos Brasileiros da USP.

Paulo Castagna é doutor em História Social e mestre em Artes pela Universidade de São Paulo. Professor e pesquisador do Instituto de Artes da UNESP.

Ana Maria de Almeida Camargo (coordenadora) é professora sênior do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Quando? 14 de maio de 2018, às 14 horas.

Onde? Arquivo Geral da USP. Rua Francisco dos Santos, 107, Cidade Universitária, São Paulo-SP (travessa da Av. Prof. Lineu Prestes, altura do Instituto de Ciências Biomédicas ICB-4). Clique aqui e veja como chegar.

Quanto? Grátis!

Vagas limitadas

Clique aqui para fazer a sua inscrição

Atenção: Esta é uma atividade gratuita e as vagas são limitadas. Evite fazer sua inscrição se não estiver seguro de seu interesse ou se não tiver certeza de que terá condições de comparecer. Assim você contribui para que outros interessados não fiquem sem vaga! 😉

Será conferido certificado aos participantes

Máster Universitario en Patrimonio Histórico Escrito

La segunda edición del MÁSTER UNIVERSITARIO EN PATRIMONIO HISTÓRICO ESCRITO se desarrollará en la Universidad Complutense de Madrid durante el curso 2018/19.

 

PRESENTACIÓN

La principal justificación de un Máster Universitario con intención de formar profesionales relacionados con el estudio, catalogación y difusión del patrimonio histórico escrito viene dada por la relevancia que éste tiene dentro del ámbito cultural español e internacional, y la importancia que ha adquirido su conservación, preservación, defensa y difusión tanto en las instituciones públicas como en las privadas.

 

A efectos de lograr los objetivos propuestos, se podrán realizar prácticas externas, entre otras, en las instituciones siguientes:

– Museo Arqueológico Nacional.

– Biblioteca Histórica Marqués de Valdecilla.

– Archivo Diocesano de Madrid.

– Archivo Regional de la Comunidad de Madrid.

– Real Academia de Bellas Artes de San Fernando.

– Archivo General de la Universidad Complutense de Madrid.

– Fundación Juan March

– Archivo de la Real Academia Española

– Archivo del Museo Naval

– Archivo y Biblioteca. Real Jardín Botánico

– Biblioteca Nacional de España

– Archivo Municipal de Toledo

– Archivo Histórico Provincial de Guadalajara

– Biblioteca de la Real Academia de Ciencias Morales y Políticas

– Fundación Lázaro Galdiano

– Museo Cerralbo

 

ESTRUCTURA DEL PLAN

Tipo de asignatura      ECTS

Obligatorias            48

Prácticas Externas      6

Trabajo Fin de Máster   6

Total                   60

 

 

MATRICULACIÓN

Plazos de inscripción 2018

Plazo extraordinario:

4 de abril a 4 de mayo de 2018

Plazo residual:

3 a 5 de septiembre de 2018

 

 

INFORMACIÓN GENERAL

Preinscripción: https://www.ucm.es/proceso-de-admision-masteres

Webs del Máster:

https://www.ucm.es/master-patrimoniohistoricoescrito/

http://www.ucm.es/estudios/master-patrimoniohistoricoescrito

 

Contacto: Dr. Manuel Joaquín Salamanca López, coordinador del Máster msalaman@ghis.ucm.es

 

X ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE BIBLIOTECARIOS, ARCHIVISTAS Y MUSEÓLOGOS

X EBAM

X ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE BIBLIOTECARIOS, ARCHIVISTAS Y MUSEÓLOGOS

“Memoria Histórica y Patrimonio Documental y Bibliográfico: su organización y preservaciòn para impulsar el desarrollo de pueblos y naciones”

La Paz, 17 al 21 de septiembre de 2018

Salón Revolución de la Vicepresidencia del Estado

http://www.ebam.com.ar/

  1. ANTECEDENTES

Este año celebraremos el décimo aniversario del Encuentro Latinoamericano de Bibliotecarios, Archivistas y Museólogos, fundado el 14 de septiembre de 2009, en la ciudad de La Paz. El EBAM es un foro de carácter inclusivo y horizontal, irrestricto e informal, que agrupa a bibliotecarios, archivistas y museólogos, con el objetivo de compartir experiencias, intercambiar ideas, comunicar saberes sobre las ciencias de la información, fortalecer la colaboración interinstitucional y la creación de redes de cooperación internacional. Los Encuentros son anuales, con sede rotativa, se realizan en espacios públicos y no tienen costo por participación. Las convocatorias se difunden en el sitio web del EBAM (www.ebam.com.ar) y una selección de las ponencias se publica en Fuentes, Revista de la Biblioteca  y Archivo  Histórico  de la Asamblea Legislativa Plurinacional.

  1. OBJETIVOS

El X EBAM abordará la problemática de “Memoria Histórica y Patrimonio Documental y Bibliográfico: su organización y preservación para impulsar el desarrollo de pueblos y naciones”, en cinco mesas temáticas. En esta oportunidad se hará un reconocimiento a los fundadores y miembros del Comité Permanente que han apoyado su realización durante esta primera década.

III. PARTICIPANTES

El X EBAM está dirigido a profesionales y trabajadores (bibliotecarios, archivistas, museólogos) de Archivos, Bibliotecas y Museos, así como en tareas de conservación y restauración del patrimonio documental (conservadores, restauradores curadores, técnicos) y personas interesadas en el desarrollo de estas disciplinas (docentes, académicos y universitarios).

  1. LUGAR Y FECHA

El X EBAM se realizará en el Salón Revolución. Vicepresidencia del Estado Plurinacional de Bolivia, calle Ayacucho esquina Mercado, La Paz, Bolivia, del 17 al 21 de septiembre de 2018. La asistencia a las sesiones del X EBAM, es gratuita y libre.

Fechas importantes

  • Inicio de registro de ponencias, informes institucionales y certeles: Marzo
  • Entrega de resùmenes de ponencias: 15 de junio.
  • Límite de registro de ponencias:30 de julio.
  • Límite de registro de carteles: 30 de julio.
  • Registro de asistentes:a partir del 30 de marzo
  1. MESAS TEMÁTICAS

La Coordinación de las Mesas Temáticas, está conformada por profesionales de amplia experiencia y prestigio, que tienen a su cargo la organización y desarrollo de sus mesas y evaluar las ponencias, informes y carteles que se presenten.

  1. Archivìstica y Archivos. Gestiòn y Administraciòn. Uso de la tecnologìa y digitalizaciòn para la preservaciòn del Patrimonio Documental y legislaciòn comparada.

Coordinadores:

Carola Campos Lora (La Paz, Bolivia)
carol.correo@gmail.com

Stella Infante (Montevideo, Uruguay)
sinfanterosso@gmail.com

  1. Bibliotecologìa y Bibliotecas. Reflexiones teóricas y prácticas en torno a la gestión de la información y el patrimonio Documental Bibliográfico y la formación profesional.

Coordinadores:

Hugo Morales Bellido (La Paz, Bolivia)
hmoralesbellido@hotmail.com

Maria Nelly Gómez (Medellin, Colombia)
nellygc2000@gmail.com

  1. Museologìa y Museos. Formaciòn académica y actualización profesional de museólogos y personal a cargo de colecciones vulnerables de papel, libros, fotografías, pinturas, textiles y otras.

Coordinadores:

Sheila Beltrán López (Potosí, Bolivia)
beltran.lopezsheila@gmail.com

Leonardo López Monroy (Ciudad de México, México)
leus@unam.mx

  1. Conservación y Restauración en Bibliotecas, Archivos y Museos. Desastres (naturales) gestión de riesgos de colecciones vulnerables, biodeterioro y capacitación.

Coordinadores:

Tatiana Suárez Patiño (Potosí, Bolivia)
restauracionessupay@gmail.com

Valeria Orlandini (Chavy Chase, EEUU)
meep.network@gmail.com

  1. Numismática y su relación con los Archivos y Museos.

Coordinadores:

Daniel Bernardo Oropeza Alba (Potosí, Bolivia)
danielvsmagnvs@gmail.com

Arnaldo Cunietti (Argentina)
acf1490@yahoo.com.ar

  1. MODALIDADES DE PARTICIPACIÒN

Se aceptarán los siguientes trabajos:

Ponencias

Las ponencias deberán versar sobre aspectos teóricos o prácticos, originales y pertinentes con el tema central y/o los ejes planteados en las Mesas Temáticas.

Informes institucionales

Los informes institucionales harán conocer el actual estado de desarrollo que han alcanzado, enfatizando el alcance y contenido de sus fondos documentales y colecciones, asì como los servicios que prestan a la sociedad y a la comunidad de investigadores.

Carteles (afiches)

Los carteles (afiches) han de ser considerados como una experiencia en sím misma, destinada a motivar la reflexión de quien lo observa, por lo que deberá cuidar su atractivo visual y propósito para interesar al espectador.

Presentación de publicaciones

Se programará la presentación de libros y revistas que sean solicitados por los autores y/o editores, habilitándose espacios para la venta, si fuera el caso. Los interesados deberán comunicar su intención de presentar libros o revistas al Comité Organizador (Fabiola.nina@vicepresidencia.gob.bo). Para este fin se habilitarán espacios dentro de la programación del X EBAM para la presentación de publicaciones.

VII. LINEAMIENTOS

Presentación de ponencias

  1. Se aceptarán ponencias individuales y colectivas.
  2. Las ponencias colectivas tendrán como máximo cuatro autores.
  3. Los interesados deben enviar un resumen de su ponencia, con extensión máxima de 350 palabras señalando la mesa temática a la que corresponde. Podrá presentarse en español o portugués. No deberá incluir gráficos.
  4. Se podrá presentar hasta dos trabajos, siendo uno como autor principal y otro como coautor.
  5. Las ponencias deben ser originales y no haberse presentado en congresos ni publicados en revistas especializadas.
  6. El resumen deberá enviarse a través de la página de registro del evento a más tardar el 15 de junio de 2018.

Lineamientos para presentación de ponencias e informes completos

  1. Una vez aprobado el resumen, se solicitará el envío de la ponencia y/o informe completos, en formato de archivo Word y pdf, tamaño carta, con letra Times Roman fuente 12 y espacio de interlineado 1,5, márgenes derecho e izquierdo 2 cm. y superior e inferior 2,5 cm.
  2. Deberá tener una extensión máxima de 15 páginas e incluir referencias bibliográficas al final del documento siguiendo las normas de estilo de citación APA. Se recomienda incluir gráficos e imágenes.
  3. A efecto de publicación, los trabajos presentados en el sitio web del EBAM, y otros medios que el comité organizador estime conveniente, la presentación de los trabajos deberá ser bajo la aceptación e indicación de la licencia Creative Commons, atribución – no comercial–compartir igual (CC–By-NC-SA), la cual permite usar la obra y generar obras derivadas, siempre y cuando esos usos no tengan fines comerciales y la distribución de las obras derivadas se haga mediante licencia idéntica a la de la obra original, reconociendo a los autores.
  4. Se recomienda que la ponencia sea redactada respetando la heterogeneidad, complementariedad y pertinencia con el tema y ejes planteados.
  5. El plazo para recepción de ponencias fenece el 30 de julio de 2018.

Lineamientos para presentación de carteles

  1. El costo de diseño, diagramación, producción, impresión y traslado será responsabilidad de cada autor.
  2. Podrán presentar hasta dos trabajos, siendo uno como autor principal y otro como coautor. En el caso de trabajos que sean presentados grupalmente no podrá tener más de cuatro autores.
  3. Los carteles deben ser originales y no haberse presentado en congresos ni publicados anteriormente. El cartel podrá presentarse en español o portugués. El cartel deberá incluir diagramas e imágenes.
  4. El cartel deberá incluir: título del trabajo, autor/es, institución, dirección, correo electrónico y sitio web, palabras claves, eje temático al cual corresponde el trabajo, introducción, métodos, resultados y conclusiones. El diseño del cartel es libre y de responsabilidad de los autores.
  5. La imagen del cartel deberá enviarse en formato de archivo pdf, png ó jpeg con resolución óptima de 300 dpi, a través de la página de inscripción del evento.
  6. El plazo de recepción de carteles fenece el 30 de julio de 2017.

Evaluación de ponencias, informes y carteles (afiches)

Las ponencias, informes y carteles, serán evaluados por los Coordinadores de Mesas Temáticas. Una vez evaluados se informará a los autores sobre su aceptación, para el envío del texto completo de los trabajos.

VIII. DE LAS SESIONES DEL X EBAM

  1. Las ceremonias de inauguración y clausura se regirán por programas especiales. En la ceremonia de clausura se procederá a la donación de libros y revistas especializados, que traigan consigo las delegaciones de países miembros del EBAM para su entrega al Coordinador General del X EBAM.
  2. El Programa General del X EBAM contempla conferencias magistrales y ponencias e informes secuenciales, por mesas temáticas, a fin de facilitar y motivar la integración de las ciencias de la información.
  3. Las conferencias magistrales tendrán 30 minutos de duración.
  4. La presentación de ponencias e informes dispondrán de 10 minutos para hacer su presentación y 5 minutos para preguntas.
  5. Las diapositivas para la presentación de la ponencia, deberán elaborarse únicamente en formato de archivo pdf o ppt y entregarse al comité local cuando se indique, con suficiente anterioridad a la hora programada para la ponencia.
  6. La impresión de los carteles (afiches) debe realizarse en formato vertical estándar DIN A0 con medidas 841 mm.×1189 mm. Los autores deberán entregar su cartel al Comité Organizador que otorgará un lugar para su exposición. Durante el tiempo de exhibición los autores de carteles deberán brindar información sobre su cartel, durante el tiempo que se exhiba, pasado el cual deberá retirar su trabajo. El comité organizador no se hará responsable de los carteles no retirados a tiempo.
  7. INSCRIPCIÓN

Los participantes nacionales y extranjeros deberán registrarse a través del formulario de inscripción que facilitarán los Coordinadores de las Mesas Temáticas.

En caso de desistir de su inscripción agradecemos informar a través del correo electrónico ebam@ebam.com.ar, indicando en el asunto del mismo “Baja de inscripción”, a los efectos de otorgar el lugar a otro participante.

La participación en el evento es libre y gratuita.

El X EBAM no otorga becas a participantes nacionales o extranjeros, los cuales deberán cubrir sus gastos de traslado, alojamiento y viáticos al evento.

 Formulario de inscripción

ENCUENTROS LATINOAMERICANOS REALIZADOS

 

I EBAM, La Paz, Bolivia (2009)

II EBAM, Lima, Perú (2010)

III EBAM, La Paz, Bolivia (en ocasión del Centenario de creación de la Biblioteca del Congreso)

IV EBAM, Buenos Aires, Argentina (2012)

V EBAM, Sao Luis do Maranhao, Brasil (2013)

VI EBAM, Medellín, Colombia (2014)

VII EBAM, Valparaíso, Chile (2015)

VIII EBAM, Montevideo, Uruguay (2016)

IX EBAM, Ciudad de México, México (2017)

X EBAM, La Paz, Bolivia (2018)

Existir em bits

ARQ-SP lança livro no UNIFAI

Na quarta-feira, dia 11 de abril, a Associação de Arquivistas de São Paulo, em parceria com os cursos de Graduação em Biblioteconomia e Pós-Graduação em Arquivos e Bibliotecas Escolares do UNIFAI, realizou o lançamento do quarto volume de sua série Thesis – Existir em bits: arquivos pessoais nato-digitais e seus desafios à teria arquivística, de Jorge Phelipe Lira de Abreu.

O evento, realizado no auditório do Centro Universitário Assunção – UNIFAI, contou com a palestra “Desafios e perspectivas do tratamento de arquivos pessoais digitais“, apresentada pelo autor, espaço para perguntas do público presente e coquetel.

O livro encontra-se à venda na loja da ARQ-SP pelo preço promocional de R$30,00.

Promoção válida até o dia 30 de abril. Aproveite!

Vaga de estágio

Formação Acadêmica: Cursando a partir do 2º semestre do curso de graduação em Biblioteconomia, Arquivologia ou História / História da Arte

Requisitos: Conhecimento básico no Word e Excel;

Atividades: Realizar atividades de processamento técnico do acervo arquivístico. Higienização de documentos, acondicionamento e registro em banco de dados. Apoio à pesquisa.

Horário de Trabalho: De segunda a sexta-feira das 11h30 às 18h, com 0:30 minutos de intervalo para almoço

Ao se candidatar é necessário especificar o nome da vaga que lhe interessa no assunto do e-mail.

Recebimento dos currículos de 10/04 à 13/04/2018 pelo e-mail: crh@pinacoteca.org.br

ARQ-SP lança novo título

Para brindar o lançamento oficial de seu livro Existir em bits: arquivos pessoais nato-digitais e seus desafios à teoria arquivística, resultado da dissertação de mestrado em Gestão de Documentos e Arquivos, Jorge Lira de Abreu apresentará palestra sobre os desafios e as perspectivas do tratamento de arquivos pessoais digitais, tema bastante atual e essencial para todos nos dias de hoje.

A palestra será realizada no auditório do Centro Universitário Assunção (UNIFAI) no dia 11 de abril, das 18 às 18:30 horas. Em seguida, o autor participará de sessão de autógrafos.

 

A ARQ-SP estará vendendo os livros no local, com preço especial de lançamento.

Promoção válida SOMENTE para o dia do lançamento, no UNIFAI: De R$35,00 por R$28,00.

 

Existir em bits
  • Associação de Arquivistas de São Paulo
    ARQ-SP
  • Av. Prof. Lineu Prestes, 338 - Térreo Sala N
    CEP: 05508-000 - São Paulo - SP
  • Telefone / Fax: (11) 3091-3795
    Email: contato@arqsp.org.br